Rogério Sarmenghi2.jpeg

Fotos: Rogério Sarmenghi e Daniel Lopes Faggiano

GRUPO DE TAMBORES TUPINIKIM DE SÃO BENEDITO

Desde os anos de 1798, a batucada do grupo de Tambores Tupinikim de São Benedito, fortalece a cultura material e imaterial da Aldeia Caieiras Velha, Terra Indígena Tupinikim da região de Aracruz, no Espírito Santo. O grupo representa uma tradição que remonta aos tempos mais antigos da cultura indígena local. A força dos tambores e o ritmo marcado das casacas são pontos de união de todo o povo Tupinikim. 

 

Com o avanço do desenvolvimento empresarial de Aracruz, muitas vezes as manifestações populares são deixadas de lado ou até mesmo esquecidas pela população local e seus gestores públicos. Mas o grupo  Tambores Tupinikim de São Benedito resiste na luta pela valorização da expressão cultural e difusão deste que é um patrimônio do Estado capixaba e do povo brasileiro. 

 

“Essa tradição para mim é tudo porque vem desde o meu bisavô [Manuel Sizenando]. [O bastão de capitão] foi para o meu avô [Alexandre Sizenando], do meu avô passou para o meu pai [Olindo Sizenando]. E vencemos tantas lutas, conseguimos a nossa terra junto com o tambor que estava ali para animar as pessoas, cantando que ‘o índio é força, o índio é raça, a terra do índio é mão na taça’. Temos até música do dia da marcação das nossas terras. O tambor sempre esteve presente em nossas festas e em nossas lutas", explica Olinda Sizenando filha do capitão do grupo Olindo Sizenando. 

O Instituto Maíra tem entre os seus objetivos contribuir para o fortalecimento do grupo Tambores Tupinikim de São Benedito, bem como, o fortalecimento cultural por meio da viabilização de um espaço de encontro e troca de saberes indígenas e resgate e fortalecimento da medicina tradicional.